segunda-feira, 28 de março de 2011

Gemas brasileiras!


Anel Em Prata 950 Com Água Santa Maria Azul Oval Check Board, aro 20 
R$ 112,00



4.1gr Anel Em Prata 950 Com Ametista Roxa Gota, aro 16.
R$ 87,00


2.3gr Anel Em Prata950 Com Citrino Amarelo Quadrada, aro 20

R$ 88,00


Pingente em prata 950 com citrino
R$ 29,00




Topázio!



Topázio


Topázio – Pedra preciosa cintilante e rara, muito usada em jóias. Apresenta-se incolor ou com varias cores. Os exemplares mais bonitos se encontram no Brasil, mais precisamente em Minas Gerais.
Pode ser encontrado nas cores azul, branco, cinza, verde, amarelo, marrom, laranja, purpura, e rosa-choque.
O topázio ocorre em rochas de granito e em depósitos de quartzo mineral. As jazidas mais ricas são a de Teófilo Otoni e Serro, em Minas Gerais.
O topázio chamado místico, é um topázio que independente de sua cor, recebe uma camada finíssima de titânio na parte inferior da pedra, depois de lapidada. Este tratamento produz uma iridescência muito interessante, principalmente em topázios azuis ou incolores.
O topázio desintoxica o corpo. Desperta e inspira a abundância na saúde, ajudando na regeneração dos tecidos e fortalecendo os órgãos e glândulas. O topázio coopera em seu desenvolvimento espiritual. Inspira paz, tranquilidade, criatividade e expressão. Previne contra os falsos amigos, feitiçaria e o mau olhado. Beneficia toda a atividade do fígado e a circulação do sangue. Elimina a insônia, o nervosismo, ajuda a curar hemorragias, tromboses, varizes e hemorróidas. É bom para as afecções da garganta, a tosse, doenças dos nervos, catarro e doenças infantis como o sarampo, além de escaras de pele e a gota. Clareia nossa visão interna, mostrando a direção correta a seguir.

Topázio Imperial

O topázio imperial é usado para a regeneração dos tecidos, estimula o paladar. O topázio amarelo é conhecido como topázio imperial, e é o de uso mais comum para efeitos energéticos. Atua no plexo solar (terceiro chakra), ativando-o e equilibrando-o. Ajuda a promover a digestão física e mental, colocando em foco as emoções e os pensamentos. Ensina a respeito da irrealidade da matéria e da eternidade do espírito. Magnetiza nosso ser por inteiro, o que significa que nos carrega com uma capacidade maior de compreensão, vontade, clareza, concentração e criatividade. É excelente ajuda nos casos de trauma nervoso, exaustão ou depressão mental. Promove a ligação e a manifestação consciente da sabedoria. Alivia a dor do reumatismo. Age contra inveja, intriga, doença, injúria, morte súbita, feitiçaria e magia negativa e loucura. Regula o sistema digestivo e é usado para auxiliar na perda de peso.



Topázio azul, também conhecido como a " gema da verdade" , por sua atuação no chakra da garganta.

Já o topázio azul, é benéfico como tranquilizador mental e emocional. Atua no chakra laríngeo (quinto), apresentando as mesmas características vibratórias da água-marinha.



quinta-feira, 24 de março de 2011

Aliança com água marinha

Meia aliança em prata 950 com sete berilos, água marinha, aro 18,5.
R$ 68,00

Liz Taylor

Os olhos cor de violeta que encantaram o mundo!


Elizabeth Taylor despediu-se ontem. Aos 79 anos, a atriz vinha tendo problemas de saúde há muitos anos e acabou falecendo de insuficiência cardíaca.
Belíssima, a atriz que nasceu na Inglaterra, mas era filha de americanos, ganhou dois Oscars, casou-se oito vezes, envolveu-se em escândalos, era amiga íntima do cantor Michael Jackson, dedicou-se à causa da cura da Aids,  gastou milhões de dólares em joias e também as ganhou de ex-maridos e admiradores. Mas, Liz  também foi  a inspiração para muitos joalheiros em suas criações.
Mas, muito já se falou sobre sua vida e nós queremos aqui, fazer-lhe uma pequena homenagem, falando de suas joias. Afinal, ela foi uma das mulheres mais lindas do mundo, um ícone de Hollywood e as joias a acompanharam durante toda a sua vida. 
Seu amor mais intenso, talvez, tenha sido com o ator Richard Burton, com quem trabalhou e iniciou um tórrido romance no filme Cleópatra, de 1963, quando foi a primeira atriz a receber US$ 1 milhão por um filme. Liz e Richard casaram-se e divorciaram-se duas vezes. Burton alimentou sua sede de joias e foi ele quem a presenteou com o famoso diamante Krupp , de 33,19 quilates (foto).

Diamante Krupp

A pérola "La Peregrina", também presenteada por Burton, era uma das favoritas da atriz. Descoberta no começo do século 16, foi oferecida ao príncipe Felipe II da Espanha, que a deu de presente à rainha da Inglaterra, Maria Tudor. Em 1969, foi adquirida por Burton em um leilão.
Liz chegou até a publicar um livro : "My love affair with jewelry”, ou "Minha caso de amor com joias".Aqui vão fotos de algumas de suas joias.



La Peregrina





Diamantes e safira



Aneis em diamantes

Colar Bulgari, com diamantes e safiras


Colar em diamantes e esmeraldas.

Richard Burton e Elizabeth Taylor






terça-feira, 22 de março de 2011

Vermelho, intenso, vibrante! Assim é o rubi!


Ao lado da safira e da esmeralda, o rubi só perde para o diamante em termos de dureza e faz parte das gemas mais tradicionais da joalheria. Seu nome vem do latim "rubinus" e quer dizer "cor vermelha".  

É tido como a mais antiga das pedras e, por isso mesmo, é cercada de lendas. Uma delas afirma que se trata de uma gema sagrada, citada até na Bíblia, que deve ser usada sempre do lado esquerdo para dar proteção. Há também a crença de que as lágrimas de Buda teriam se transformado em rubis, o que explica o fato dos budistas a considerarem sagradas. Em função da sua cor rubra, acredita-se que a gema está associada ao sangue, favorecendo o amor, a beleza e o sucesso. Para os esotéricos ele é a energia criativa dedicada aos aspectos mais elevados do eu-superior. 


Raros, praticamente não existem mais minas onde essa preciosidade possa ser garimpada. Exatamente por isso, a gema se tornou ainda mais preciosa. A pedra pertence ao grupo do corindon, o mesmo da safira e, em algumas formações geológicas, são encontrados junto com espinelas vermelhas, cujos bons exemplares são tão valiosos quanto o rubi. Os rubis verdadeiros quase sempre apresentam várias imperfeições. Os exemplares mais notáveis vêm da Birmânia (Vale de Mogok), onde são explorados há mais de cinco séculos.Ocasionalmente, o rubi exibe fenômeno óptico muito interessante, conhecido como asterismo* - estrela de 6 pontas e, mais raramente, de 12 pontas.


Os rubis eram considerados pelos Hindus como as pedras mais valiosas porque preservavam a saúde do corpo e da mente.

Antigamente, os rubis eram valorizados por sua invulnerabilidade. Para se chegar a isso, o rubi deveria ser inserido dentro da carne de modo a tornar-se parte do corpo. Aqueles que incrustavam rubis em sua pele acreditavam que se tornavam inatingíveis por quaisquer feridas causadas por lanças.


Segundo a lenda Hindu, o rubi vermelho foi criado a partir do diamante incolor de uma Maharani (rainha) quando esta foi assassinada por um cortesão ciumento. Seu sangue manchou a pedra e todas as outras iguais a ela.


Ouro amarelo, branco e rosé, com diamantes e rubis.



As prescrições modernas são iguais às antigas, que o rubi utilizado por uma pessoa, favorece a circulação do sangue e o coração.

O maior rubi digno de ser lapidado pesou 400 quilates, foi encontrado na Birmânia e foi dividido em 3 pedras menores.

O maior rubi lapidado é o Rubi Edward com 167 quilates, que está no British Museum of Natural History, em Londres.

Localidades: Birmânia, Sri Lanka, Tailândia.Em sua forma bruta e natural, é uma pedra raríssima. A indústria de jóias, por exemplo, utiliza-se de rubis artificiais também. É um tipo de pedra minerada nas regiões da África, Ásia e Austrália. Também é encontrada em Myanmar, Sri Lanka, Tailândia; e nas cidades de Montana e Carolina do Sul nos EUA.
Analogias: Energia: projetiva. Planeta: Marte. Elemento: fogo. Chakra: básico, cardíaco. Tarô: O Imperador. Signo: Áries.
Auxilia na concentração e dá força mental. Fortalece o coração. Deve ser usado com prata na mão esquerda.
Trabalha com sangue e a circulação. Também usado para preservar o corpo, melhorar a saúde mental, remove obstáculos, sonhos ruins, aflições e pensamentos negativos. Ativa a Kundaline.
Amplia o pensamento, cria liderança inspirada divinamente. É a melhor pedra para a cura do coração. O amor é elevado até a abnegação, amor universal, compaixão por toda a vida.
Objetivo: força, alegria, proteção, coragem, compaixão.


Na escala de Mohs, o rubi possui uma dureza 9, em nível de dureza, perde somente para o diamante. Quando um coríndon é encontrado em outras cores, não vermelha, é referido como safira.

O rubi pode ser valorizado em vários níveis, dependendo da cor, do brilho e do formato. Não há rubi simetricamente perfeito, quanto mais próximo da perfeição, mais  cara é a pedra. Além 
do traçado perfeito, a raridade também é um fator de elevação de seu preço.



Fontes: Infoescola, Infojoia.


segunda-feira, 21 de março de 2011

O verde profundo das esmeraldas!

Admirado por mais de 4.000 anos, o verde profundo das esmeraldas tem sido símbolo de imortalidade e juventude. Essas gemas foram admiradas pelos egípcios e romanos e  as histórias de muitas das melhores gemas do mundo frequentemente se transformam em mitos. .

As esmeraldas estão, desde o início do pensamento humano, entre as pedras preciosas mais desejadas e valiosas. Os gregos chamavam-na  “a deusa verde de todas as pedras”. Entre os romanos, era considerada “a pedra do amor”, da confiabilidade e fidelidade. No Egito, Cleópatra enfeitava-se com as mais belas esmeraldas, pois acreditava-se que nelas residia a eterna beleza de Vênus e que remoçava a aparência.


Também os Incas e Astecas honravam as esmeraldas, pois acreditavam que se tratasse de pedras sagradas. As esmeraldas exerciam em quase todas as culturas e casas reais um papel muito importante e eram consideradas como pedras de adorno e, também, curativas.
Uma cuidadosa análise de algumas das esmeraldas mais famosas do mundo mostrou que pedras preciosas também têm histórias secretas. Três das pedras pertencentes à coleção de uma antiga família são originárias da Colômbia, de onde teriam sido retiradas no século XVI e não teriam pertencido, como contava a lenda, a Alexandre, o Grande.

Para os romanos, a esmeralda simbolizava a vitalidade cósmica e a fertilidade; para o islamismo é o símbolo da esperança e da vida eterna. Na Idade Média, a pedra verde era associada ao demônio e, segundo a lenda, o Santo Graal foi talhado em um pedaço de esmeralda que caiu da cabeça do diabo. 


Santo Graal  foi esculpido em ágata roxa e,  posteriormente, recebeu adornos de ouro e de pedras preciosas como esmeraldas e rubis. O Graal era realmente uma pedra preciosa, pedra de luz trazida do céu pelos anjos.Ele imprime ao nome do Graal uma estreita dependência com as forças cósmicas.A pedra é chamada Exillis, Lapis exillis ou Lapis ex coelis, que significa “pedra caída do céu“.
É a referência à esmeralda na testa de Lúcifer que representava seu Terceiro Olho. Quando Lúcifer, o Anjo de Luz, se rebelou e desceu aos mundos inferiores, a esmeralda partiu-se pois sua visão passou a ser prejudicada. Um dos três pedaços ficou em sua testa, dando-lhe a visão deformada que foi a única coisa que lhe restou. Outro pedaço caiu ou foi trazido à Terra pelos anjos que permaneceram neutros durante a rebelião. Mais tarde, o Santo Graal teria sido cravado como adorno ao cálice de ágata tornando-o assim realmente Sagrado.

Quando os jazigos do Egito começaram a esgotar-se, as esmeraldas eram difíceis de se  conseguir e os mercadores fenícios e armênios procuravam-nas entre as tribos selvagens que povoavam o norte de Pont-Euxin (Mar Negro). Julgava-se que essas tribos possuíam um grande poder mágico por estar em comunicação com os espíritos e que só elas poderiam, por isso, obter as esmeraldas que se formavam nas grutas de ouro habitadas pelos Grifos, guardas zelosos desta gema.As viagens até aquelas paragens eram difíceis e perigosas, e por isso a esmeralda era uma pedra raríssima e quase inacessível na antiguidade. Era considerada a terceira gema pelo seu valor: diamantespérolas e esmeraldas. Nenhuma outra pedra possuía cor tão admirável. A cor da esmeralda descansa a vista e o gravador que a trabalha executava a tarefa com prazer e sem se cansar.


Durante o período da civilização mediterrânea, Nero possuía uma esmeralda do tamanho de um ovo de pomba e a usava como monóculo durante as lutas dos fladiadores. Outro imperador romano, Adriano (Século II), teve também uma grande predileção pelas esmeraldas e possuía  uma coleção muito completa: em duas delas fez gravar a sua imagem e a sua esposa Sabina.

Não menos célebre foi o bridão - tipo de freio usado em cavalos - que Honório, imperador do Ocidente, mandou fazer para o seu cavalo favorito, e que estava completamente ornado de esmeraldas. Os romanos adornavam-se também, por essa época, com colares de esmeraldas e pérolas, ou com pedras verdes, e consideravam isso como um talismã, visto admitirem que a cor verde conjurava a tristeza e transformava as dores em felicidade e alegria.

Durante a época dos grandes descobrimentos nas Américas do Sul e Central, os espanhóis assombraram-se com uma montanha de esmeraldas no Peru. Diante  "daqueles verdes cristais", em tão grande quantidade, quase não podiam acreditar que tivessem qualquer valor, devido à imensa quantidade  e nem que se tratava, na realidade, de esmeraldas belíssimas. Para convencer-se disso, começaram a bater-lhes com um martelo para verificar a sua dureza, e desta forma despedaçaram um grande número de peças únicas, que os soldados venderam depois por preços irrisórios. 

Tiara com esmeraldas, diamantes e ouro.



Muitas lendas se formaram ao redor das pedras preciosas "conquistadas" no Novo Mundo, e é de crer que nem todas sejam frutos de ficção, visto que o roubo, o assassínio e a tortura, eram os meios que então se empregavam para se conseguir dos indígenas os ouros, as pérolas e as gemas.

Os antigos habitantes do vale no Peru adoravam uma deusa "Esmeralda" sob a forma de uma grande gema do tamanho de um ovo de avestruz. Em dias determinados, esta esmeralda era exibida ao povo que, para ser agradável à deusa, lhes trazia as suas "filhas pequenas", isto é, outras esmeraldas que procuravam ou compravam. Foi deste modo que os sacerdotes pagãos puderam reunir uma quantidade considerável daquelas pedras preciosas.
Muitos lagos das terras povoadas pelos maias e pelos astecas eram objeto de veneração, pois, acreditava-se que no fundo destes lagos habitavam as divindades. Todos os anos se celebravam sacrifícios nas suas margens durante os quais se lançavam à água muitas pedras preciosas, principalmente esmeraldas e também ouro. Os relatos dizem que são inúmeros os tesouros que dormem no fundo dos lagos Titicaca e Guatavita.

No Museu de Paris pode-se admirar uma magnífica coleção de esmeraldas colombianas, prismas de um verde suave do tamanho de um polegar, dentro de sua ganga (parte não aproveitável de uma jazida mineral) calcária branca. Como muitas das tradições colombianas, a história da esmeralda se atribuiu a uma série de contos que disputa veracidade com as causas geológicas da pedra preciosa na Colômbia. 





Existe uma lenda que conta a existência de dois seres nativos: Fura e Tena, mulher e homem criados pelo deus Ares com o objetivo de que, sem infidelidades, povoassem a terra em troca de sua eterna juventude. Fura, a mulher, falhou à promessa, causando seu acelerado envelhecimento e a morte de Tena. Ares, com pena dos infelizes, os converteu em duas formações rochosas protegidas por tempestades e serpentes e em cujas entranhas as lágrimas de Fura se tornaram esmeraldas. 

Hoje, as serras de Fura e Tena, com uma altura de 840 e 500 metros, respectivamente,  sobre o vale do rio Mineiro, protegem a zona de esmeraldas da Colômbia. Localizam-se a 30 km ao norte das minas de Muzo, entre as de maior produção da Colômbia.


Serras de Fura e Tena, Colômbia.


Foi uma outra esmeralda extraordinária que se gravou, segundo uma lenda da Idade Média, o Santo Graal, o cálice sagrado que Jesus empregou na Santa Ceia e no qual José de Arimatéia recolheu o sangue revertido pelo Redentor.

Essa lenda diz que esta gema havia brilhado na coroa do Arcanjo Rebelde de onde caiu na luta contra o Arcanjo São Miguel. Passando de mão em mão, essa esmeralda chegou à Rainha de Sabá que a ofereceu a SalomãoNicodemo herdou-a mais tarde e José de Arimatéia recebeu-a depois. Em 1100, chegou a Genebra um cálice com a forma que se atribui ao Santo Graal.Esse cálice passou em Paris, em 1806, mas não estava esculpido em uma esmeralda e era apenas um cristal de cor verde.

Outra esmeralda preciosa de cor perfeita, era a que adornava a tiara do Papa Júlio II. Depois de ter permanecido por volta de 300 anos em Paris, foi restituída por Napoleão ao Papa Pio VII.

Atribuem à esmeralda qualidades extraordinárias e virtudes misteriosas e julga-se que apura o gênio e a inteligência e que favorece a riqueza; quando colocada por baixo da língua concede o dom da profecia.

O valor da esmeralda é definido por sua cor, tamanho, pureza e brilho.A Colômbia produz 55% de toda a esmeralda do planeta, seguida do Brasil.





Fontes: Wikipedia, Colombia Travel, Tudo Joia.

sexta-feira, 18 de março de 2011

A beleza das ametistas!



Pulseira em prata 925 com ametistas, 20 cm.
R$ 110,00


O nome, ametista, vem do grego amethystós e significa "não ébrio". Na Grécia usava-se nas festas dedicadas a Dionísio, ou Baco para os romanos,  para manter-se sóbrio. 

Conhecida desde a antiguidade, é uma variedade de quartzo. Na verdade a conhecida ametista é o quartzo-violeta.

As pedras descobertas em períodos antigos costumam estar associadas a lendas... Uma das mais belas, talvez, seja a da Ametista... 
Na mitologia grega, Dionísio, o deus do vinho, desprezado pelos mortais, jurou jogar tigres contra a primeira pessoa que encontrasse... A bela Ametista, a caminho do templo de Diana , deusa da caça e da lua ,  foi a primeira a passar e acabou sendo atacada pelas feras. Vendo seu desespero, Diana decidiu transformá-la em um cristal para aliviar sua dor. Arrependido, Dionísio despejou vinho sobre a pedra, que adquiriu então a cor púrpura...
Utilizada desde tempos imemoriais por reis e bispos, a Ametista transmite a quem a traz consigo poderes psíquicos e contemplativos. O alto clero hebreu usava ametistas em seus paramentos e, mais recentemente, podem-se ver essas preciosas pedras púrpuras entre as joias da coroa da Inglaterra e na Fleur de Lys da realeza da França e eram as favoritas de Catarina, a Grande. Na Idade Média chegou a custar mais caro que o diamante. 
Leonardo Da Vinci escreveu que a ametista podia dissipar pensamentos maus e acelerar a inteligência.
Acreditava-se que a ametista encorajasse o celibato e simbolizava devoção.Era muito importante na igreja católica na Idade Média. Em particular, era considerada pedra de bispo e até hoje levam no dedo um anel de ametista, como símbolo de sua espiritualidade.
No Tibet, a ametista é consagrada a Buda e seus rosários são freqüentemente feitos desta pedra.
Tem brilho vítreo, transparente e translúcido. Cor violeta. As substâncias corantes são o ferro, o manganês e o titânio. 
É a gema representativa mais importante do grupo do quartzo. É o símbolo do terceiro olho, que tudo vê, também símbolo da modéstia.
Sua cor violeta transforma energia negativa em positiva, desenvolve a espiritualidade e intuição e é uma das favoritas para a meditação.





Fonte: Lenda Viva, Pedra Luz

Visite nossa loja: